Sobre o Município

O município de Salvaterra foi colonizado por volta do século XVIII, pelos frades jesuítas que instalaram a princípio na vila de Monsarás, a sede do município. Entre os povos que habitavam esta região na época, predominava os índios da tribo Sacaca descendente dos Aruans, grupo linguístico indígena dos mais importantes no Brasil, que deixaram uma herança de grandes obras de arte em cerâmica que se desenvolveu ao longo dos anos em toda a ilha do Marajó.

Quanto à vegetação predominam as palmeiras (coqueiros, najazeiros e açaizeiros), em muitas áreas da zona rural se conserva as matas de igapó, as matas de várzeas, além de uma grande extensão de campos naturais.

Localizada a margem da Baia do Marajó, com rio Paracauarí, Salvaterra limita-se ao norte com o município de Soure, separando os dois municípios, o rio Parauarí. Ao nordeste a leste pela Baia do Marajó. Ao sul, sudeste e oeste, pelo município de Cachoeira do Arari, separando os dois municípios, o Rio Camará e Rio São Miguel.

Durante muitos anos a economia concentrava-se em 3 (três) produtos: o gado, a pesca e o Abacaxi.  Hoje com o desenvolvimento da agricultura, mais especificamente na cultura do abacaxi, o município passou a incluir essa produção como uma das principais fontes da economia local, atualmente o município conta com 443 hectares, plantado com uma produtividade equivalente a 30.000 frutos/ha, já tendo sido considerado o principal exportador do Estado do Pará. Em segundo lugar, vem à mandioca com uma área de 14 hectares plantada, com uma produtividade de 600 kg/ha. O milho, o arroz e o feijão também são cultivados, com frequência, mas apenas para subsistência.

Formação Administrativa

Em divisões territoriais datadas de 31/12/1936 e 31/12/1937, figura no município de Soure o distrito de Salvaterra. Assim permanecendo em divisão territorial datada de 01/07/1960.

Elevado à categoria de município com a denominação de Salvaterra, pela lei estadual nº 2460, de 29/12/1961, desmembrado de Soure, sede no antigo distrito de Salvaterra, constituído de 5 (cinco) distritos: Salvaterra município Sede, Condeixa, Joanes, Jubim e Monsarás. Desmembrado do município de Soure, Jubim e Monsarás criados pela mesma lei do município de Salvaterra, instalado em 13/02/1962, em divisão territorial datada de 31/12/1963.

Aspectos Culturais

A festividade religiosa mais importante do município de Salvaterra é a do Círio de Nossa Senhora da Conceição, realizado no dia 8 de dezembro, composto de procissão, arraial e festa dançante.

No mês de junho ocorrem às tradicionais festas na roça, com concurso de quadrilhas, comidas típicas da época, bois-bumbás, pássaros e eleição de miss caipira.

O Festival do Abacaxi no mês de julho é outra importante manifestação da cultura popular local. No dia 25, ocorre à exibição de “slides” sobre o sistema de produção e apresentação de variedades do abacaxi, feira de produtos e alimentos derivados da fruta, exposição de artesanato e exibição de grupos típicos de carimbó, bois-bumbás e pássaros.

Em Salvaterra são produzidos artesanalmente cestas, peneiros, abanos, peneiras, balaios, chapéus, tipitis e redes.

A igreja da 1ª Rua, o monumento à Magalhães Barata, as ruínas da igreja de Joanes, o poço de Monsarás, a igreja e o muro de pedra ao redor da praia de Monsarás, são considerados patrimônios históricos de Salvaterra.

Aspectos Físicos – Territoriais

Localização      

Vizinho dos municípios de Soure e Colares, Salvaterra se situa a 10 km a Sul – Oeste de Soure a maior cidade nos arredores. Situado a 4 metros de altitude, de Salvaterra tem as seguintes coordenadas geográficas: Latitude: 0° 45′ 32” Sul, Longitude: 48° 30′ 44” Oeste.

Fonte: Google.imagens

Limites

salva go

Ao Norte – Município de Soure;

A Leste – Baía do Marajó;

Ao Sul – Baía do Marajó e Município de Cachoeira do Arari;

A Oeste – Município de Cachoeira do Arari.

Solo

No Município há dominância do Latossolo Amarelo distrófico textura média e Areia Quartzosa distrófica; Plintossolo distrófico textura indiscriminada; Areia Quartzosa distrófica e Solonchak textura indiscriminada, além dos solos indiscriminados de mangues, todos em associações.

Vegetação

Predomina no município de Salvaterra a vegetação campestre, com Campos Herbáceos, Graminosos e Savanas tipo Parque, características da sub-região do Cerrado do Amapá. Nas terras firmes, onde primitivamente havia a Floresta Densa dos baixos platôs, o desmatamento favorece o aparecimento das capoeiras ou Florestas Secundárias em diferentes estágios de regeneração, intercaladas com cultivos agrícolas de subsistência e com o cultivo do abacaxi, muito expressivo no Município.

Nas áreas sob influência de inundação predominam os manguezais, com espécies típicas dessa Formação Pioneira, a Rhyzophora Mangle e Avicennia Nitida.

Patrimônio Natural

A alteração da cobertura vegetal natural, observada nos trabalhos realizados com imagens LANDSAT-TM, do ano de 1986, estava em 32,50%. Os acidentes geográficos mais importantes são a baía de Marajó, os rios Camura, Paracauari, Condeixa e Jubim, e os igarapés do Limão, Cachoeira, Cobras e Curuana.

Possui belíssimas praias na orla oriental da ilha de Marajó, como a Grande, Jubim, Cururu, Água Boa e a famosa praia de Joanes. Em geral, a vegetação é de influência aluvial, campos e savanas e, nos manguezais, com influência marítima, predominam a Rhyzophora mangle e Avicennia Mitida.

Um belo recanto amazônico proporciona um espetáculo natural em suas praias de água doce, igarapés e fazendas. Pelos campos encharcados durante as grandes águas do inverno, passeiam búfalos montados por vaqueiros.

A Reserva Ecológica da Mata do Bacurizal e do Lago Caraparu foi criada com objetivo de proteger os ambientes costeiros nessa porção leste da Ilha de Marajó, pela conservação dos recursos bióticos e abióticos, a pesquisa científica, a educação ambiental e o ecoturismo, buscando sempre a integração sustentável com as atividades de comunidades pesqueiras tradicionais.

Topografia

A topografia do Município, dada sua condição de área marginal à baía do Marajó, apresenta-se como uma das mais modestas. O distrito sede tem sua cota média de apenas 4 metros de altitude.

Geologia e Relevo

Considerando a estrutura geológica do Município, recoberta por restos de sedimentos do Terciário (Formação Barreiras) e em maior proporção, por sedimentos Quartenários Subatuais e Recentes, o relevo é representado pelos níveis de terraços (ou tesos, regionais), várzeas, diques marginais, etc., que constituem áreas aplainadas em retomadas de erosão e recobertas por sedimentos inconsolidados. Morfoestruturalmente insere-se na Planície Amazônica propriamente dita.

Hidrografia

A drenagem do município de Salvaterra é representada pelo rio Paracauari, ao qual serve de limite em grande parte com o Município de Soure, ao norte, e corre no sentido oeste-leste.

Segue seu curso apresentando meandros, principalmente, a alguns quilômetros da foz. Seu maior afluente é o rio Maichará, que possui dois outros afluentes: os rios Nazaré e Mangueira. Outro rio de expressão no município é o rio Camará que serve de limite natural entre Salvaterra e Cachoeira do Arari; corre no sentido noroeste-sudeste, apresentando também, seu baixo curso de características meândrica, face à sedimentação aí ocorrente.

Recebe uma série de afluentes, mas, apenas os da margem esquerda, pertencem ao município de Salvaterra, entre eles, os rios Miguel, Vala do Rosário e outros. Drenando para Baía do Marajó, aparecem os rios Condeixa e Jubim, e os igarapés das Cobras, Água Boa e Caruanã, dentre outros.

Clima

Fazendo parte do clima equatorial úmido, o clima do Município apresenta todas as características que lhe são inerentes: amplitude térmica mínima, temperatura média em torno de 27º C, mínima superior a 18º C e máxima de 36º C, umidade relativa e alta pluviosidade nos seis primeiros meses do ano. Nestes meses mais chuvosos, ocorrem as menores temperaturas, enquanto que nos últimos seis meses, processam-se as temperaturas mais elevadas.

Por sua situação, limitando-se em parte com o Amazonas e com o Atlântico, o clima é amenizado, tornando-se bastante agradável com a ventilação existente.

População e Demografia

O levantamento foi elaborado a partir das estimativas intercensitárias disponibilizadas pelo DATASUS que, por sua vez, utiliza fontes do IBGE.

Para cálculo da densidade demográfica e levantamento da área em quilômetros quadrados de cada município, foi utilizado o cadastro nacional de municípios disponibilizado pelo DATASUS, que contém informações dos municípios brasileiros criados até 01 de janeiro de 2013.

ACESSIBILIDADE